terça-feira, 8 de maio de 2007

Olissipografia 19

Sobre a Rua da Tôrre da Pólvora escreve ainda o nosso confrade Bic Laranja:
Espreitemos a Rua da Tôrre da Pólvora, urbanizada e rectificada no seu trôço inicial sob a Pampulha, há dois anos [1937]. Na parte antiga vemos, à esquerda uns casebres decrépitos, e os restos dos fornos da cal, pois muitos por aqui houve. O sítio foi chamado, no século XVI, «Lapa da Moura», em virtude da existência de uma lapa entre as pedreiras que afloram ainda na raiz das construções. De Lapa da Moura se passou a Cova da Moura, nome que esta área entre Alcântara e a Pampulha ainda mantém.

Sobre o significado de Lapa vou ao Dicionário Morais e vejo o seguinte: "Grande laje que em montes ou rochedos, forma cavidade; gruta; caverna ou cova, antro".

Aqui vai o enigma de hoje: onde está essa lapa lisboeta? A resposta exige, contudo, fotografias e documentos. Quem arrisca?

1 comentário:

O Jansenista disse...

Se é a lapa da Pampulha, é a que está à direita de quem desce a Inf. Santo, antes do prédio recuado que faz esquina para a R. Emb. Teixeira de Sampaio (não tarda nada constroem lá também).
Mas por que razão dariam o nome dessa lapa à igreja da Rua da Lapa (Nossa Senhora da Lapa?), que ainda está algo distante? É capaz de ser designação extra-lisboeta, é o meu palpite.