sábado, 7 de julho de 2007

Hábitos alimentares


O nosso Jansenista passou a batata quente e resta-me abrir o menu. Confesso que até há bem pouco tempo era uma pessoa de gostos e hábitos alimentares muito básicos: uma refeição tinha de começar por uma boa sopa (de espinafres, de beldroegas ou caldo verde), ter um prato substancial de carne (um bom bife do lombo ou vazia), acompanhado de batatas fritas às rodelas e arroz branco ou de tomate (malandro) e terminar com uma peça de fruta, consoante a época do ano (cerejas, morangos, pêssegos, laranja algarvia, romã) ou um doce (leite-creme, arroz doce, mousse de chocolate ou bolo de manteiga). Não obstante estes gostos básicos, nunca dispensei outros pratos, como um bom arroz de pato, favas com chouriço (ah! aqueles domingos em família, como tenho saudades), tortilla, ou até pizzas ou risoto italianos, de preferência nada pré-congelado.

Mas as circunstâncias da vida têm-me aproximado, há já cerca de três anos, de uma fase pré- vegetariana e gradualmente afastando-me do talho. Assim, tenho cultivado o gosto pelos pratos japoneses (chineses, nem vê-los) e delicio-me, a preceito (nada de talheres, só pauzinhos) actualmente com um bom Domburi [Tekkadon (atum crú com arroz e wasabi) ou Sukedon (salmão crú e arroz)], Sashimi [Maguro,Toro, Ebi, Saba, Ika, Tako] ou Sushi [Nigiri, Gunkan, Norimaki, Temaki, Oshizushi, Inari, Chirashi], acompanhados de um chá verde, frio.

Quanto a petiscadas bem portuguesas, com cozido e afins, nunca fui muito adepto, se bem que tenho memória de grandes episódios com os meus camaradas do exército lá para as tascas da banda da Ajuda. Uma vez (e de acordo com prévia combinação) até cheguei a apear de um cavalo à porta de um restaurante e deixá-lo preso a uma argola para ir ao meu repasto. Pudera, os meus convivas tinham todos armas no coldre.

Vamos ver o que dizem os confrades Combustões (que é uma autoridade na matéria), AMN (um amigo, que ainda não me detectou nesta nova capa do anonimato),

2 comentários:

T disse...

Vou tentar responder-lhe:)
Um abraço!

O Jansenista disse...

Diacho, que fominha passa V. Exª! Será míngua de receita tributária?