domingo, 11 de novembro de 2007

Olissipografia 46








É um passeio pela alta de Lisboa. De cima para baixo, imaginariamente, traço um percurso do sítio onde podemos hoje encontrar a Rua Marquês da Fronteira até chegar lá a baixo, quase ao pé da rotunda... Que pedras eram aquelas que encontrei pelo caminho?

4 comentários:

sergio disse...

Se bem me lembro do episódio, eram as termiteiras trazidas de Angola pelo Marquês de Angeja. Consta que não havia rato que lhes sobrevivesse. Daí a utilidade nas culturas secas.

O Jansenista disse...

Belíssima sequência. Termiteiras com aquela forma? Nãããããã... Devem ser restos do desbaste da pedra nos morros que ali havia (sendo o último o do Sidónio, onde está hoje o Hotel Ritz).

Bic Laranja disse...

Bela sequência sim senhores. As duas primeiras dão-me a impressão do troço que parte de S. Sebastião. A 4ª e a 5º são tomadas do cimo da Rua Castilho, que se rasgava; topa-se na primeira delas a cumeada da Penha de França e a outra aponta ao Castelo e ao Tejo; Sãs as duas da mesma panorâmica. A última parece-me ser ao fundo do parque do lado da Estufa Fria, vendo-se o lago à esq., sendo o edifício ao fundo o da Ordem dos Engenheiros na Antº Augusto de Aguiar.
Datas e autores necessitam-se.
Cumpts.

Bic Laranja disse...

São as duas da mesma panorâmica, digo.
Cumpts.